Inteligência Emocional

Quem domina a inteligência emocional consegue manter um equilíbrio na vida de forma mais agrdável.

Falar sobre motivação sempre me motiva!

Especialmente quando sei que o público que irá consumir estas informações se interessa pelo assunto.

Inteligência Emocional - Allessandra CanutoInteligência Emocional - Alle ao Lado

Veja mais:

4 formas de despertar seu poder interior

Pensamentos positivos auxiliam na resolução de problemas

Treinamento de Negociação e Influência

Autenticidade, você tem em suas ações?

Autenticidade | Alle ao Lado

Já parou para pensar os motivos que levam pessoas a pautarem sua vida no que os outros poderão pensar? Afinal, é possível sermos verdadeiros no contexto social e profissional? Podemos ser realmente autênticos?

Com todas essas questões em mente, convido a pensar sobre a importância da autenticidade em nosso dia a dia. Autêntico quer dizer ser aquilo que coincide com você mesmo, ser o que é. Essa é a definição de acordo com a etimologia, mas, o senso de urgência da vida moderna parece nos afastar dessa possibilidade aparentemente tão simples ?” sermos o que somos.

Aproveitando a polêmica, lanço esse desafio: será que temos consciência do que estamos realmente fazendo? Grande parte da população deseja ser o que acha que deve ser e não simplesmente o que é de verdade. E você?

Autenticidade, sinceridade e intenção

Analisando situações cotidianas, tracei a complexa relação entre sinceridade e intenção, visando identificar se estamos sendo genuínos ou não. Por exemplo, pense em um momento em que falou a verdade para alguém ou para si. Você tinha boa intenção? Visava crescimento? Se a resposta é sim, você estava coincidindo com seu verdadeiro eu e, consequentemente, viveu um momento de autenticidade.

Agora avalie um caso em que disse a verdade, porém, havia má intenção. Você fala a verdade, no entanto, o propósito é ruim. Quando a proposta é dar um choque de realidade, chamo isso de momento maldade, em que expressamos a verdade buscando um resultado negativo para o outro.

Relembre quando mentiu, mas fez isso com uma “boa intenção”. Você não queria magoar, ou achava que não tinha o direito de ser verdadeiro. Então ocorre o momento preguiça, porque ser transparente, muitas vezes, dá trabalho. Por último, considere uma mentira com uma má intenção. Esta é a combinação que culmina no momento maldade ?” e eu prefiro nos poupar de exemplos deste tipo.

Considerando tudo isso, minha hipótese é que ser legítimo é um desafio pessoal e uma escolha constante. Penso que podemos sim ser genuínos, mas com mais facilidade quando nos sentimos seguros. Portanto, fica o desafio de (pelo menos tentar) exercitar a autenticidade em qualquer contexto, pois os maiores beneficiados somos nós mesmos.

Veja mais:

Pare de buscar aprovação

Treinamento de Alta Performance

Pensamentos positivos auxiliam na resolução de problemas

Dicas da Alle

Veja várias dicas da Alle para você:

Dicas da Alle | Atividade física deve ser iniciada com acompanhamentoDicas da Alle | Mudança profissional feita em etapasDicas da Alle | Mudança profissional feita em etapas

Dicas da Alle | 10 passos para fazer diferente em 2017

É sempre um prazer contribuir para os meios de comunicação que realmente se importam com o desenvolvimento das pessoas.

Veja mais:

Insatisfação: o estalo para mudanças

Treinamento de Alta Performance

Emoções, comportamentos e resultados: a tríade do prazer

A eterna busca de aprovação

Burcar aprovação

Pensamentos do tipo: “Espero não ter ninguém em casa para eu tocar meu violão sem ter que lidar com gozação”, ou “Vou chegar mais cedo no escritório para fazer aquela ligação de prospecção para que ninguém ouça caso eu não me dê bem”, ou ainda, “Será que eu coloco esta ou aquela roupa, uso este ou aquele tom de voz…quando encontrar com a pessoa que estou querendo conquistar”, habitam sua cabeça? Se sim, acredite, você é um dependente de aprovação.

Essa dependência é tão prejudicial quanto a de comer compulsivamente que te divorcia da possibilidade de ser saudável.

Tão prejudicial quanto a de drogas, que te divorcia de sua consciência lúcida. Ser dependente de aprovação te divorcia de sua própria autenticidade.

Todos sabemos que nós seres humanos temos um impulso inato de conexão. Estamos constantemente almejando inclusão, afinal, a rejeição nos desencadeia medo. Isso está registrado em nossos arquivos mais primórdios. Na antiguidade, ser expulso ou ficar isolado do grupo de convivência significava risco de perder a vida. O dilema é que mesmo depois de mais de 2000 anos esses registros continuam interferindo em nossas vidas. Nosso comportamento está adaptado para evitar a desaprovação dos outros. Pesquisas mostram que a rejeição ativa diversas regiões no cérebro inclusive partes relativas a dor física. Isso explica nosso desespero por evitar a desaprovação e nossa aversão à rejeição.

Que tal fazer as pazes com a rejeição?

Esse caminho viabiliza a percepção da rejeição como possibilidade de revisão do que aconteceu. Lhe dá a chance de você se perguntar se estava realmente sendo você mesmo. Funciona como um scaneamento de si mesmo. Primeiro você lembra o fato e depois verifica o que estava sentindo e pensando. A seguir você verifica se o que disse e a maneira como agiu. Se estavam alinhados ao sentimento e ao pensamento anteriormente relembrado.

Você estava sendo você?

A partir deste ponto se abrem duas possibilidades.

A primeira é perceber que esta pessoa que está te rejeitando não compreende ou não quer lidar com sua verdadeira versão. Você utiliza toda sua compaixão para continuar a convivência com ela. Ou escolhe manter uma distância saudável para preservar a si mesmo e a relação.

A segunda possibilidade é você perceber tudo isso e querer realinhar profundamente sua relação com esta pessoa propondo que vocês revejam as expectativas mutuamente. Desta maneira ficará claro que o que ela rejeitou de você é uma parte sua que você não pretende abrir mão.

Um atalho para fazer estas pazes com a rejeição é abraçar sua mentalidade de crescimento constante. Isso acontece quando você determina que irá cuidar de sua autenticidade como uma habilidade a ser desenvolvida ao longo do tempo através de treinamentos e vivências de autoconhecimento, leituras sobre autoestima e autoconfiança. Esta opção nos conecta com a consciência de que todos os dias estamos vivendo nosso pleno potencial dentro do contexto que estamos, com as ferramentas que adquirimos até o momento. Isso nos deixa mais propensos a nos desafiarmos e paramos de perceber o feedback e a rejeição como um sinal de desaprovação ou de fracasso.

Ao entender que há um abundante espaço para crescimento, melhoria e sucesso, nos afastamos da necessidade constante de validação.

Veja mais:

Treinamento de Negociação e Influência para a KPMG

As 3 necessidades básicas de qualquer relacionamento

Treinamento de Gestão de Conflitos

Gerenciamento e percepção em tempos de crises?

Percepção x Gerenciamento | Alle ao Lado

 

Seu chefe convoca uma reunião e explica que as vendas estão caindo.

Para reverter o quadro, será preciso o empenho coletivo.

Ele afirma que será preciso ampliar a percepção para encontrar uma solução estratégica para o problema.

Aí você se pergunta “mas o que é mesmo percepção?”

Percepção é a nossa capacidade de PERCEBER e RESPONDER diante de estímulos.

O que o seu chefe está propondo é uma reflexão sobre o ambiente de trabalho, o desempenho individual e coletivo, além dos aspectos externos envolvidos na queda das vendas.

O feedback participativo irá compor o plano de ação para reaproximar os consumidores.

Nesse caso, o trabalho em equipe cria:

E na sua empresa, como vocês trabalham a percepção? E a resposta a estes estímulos?

A aceitação desse tipo de abordagem funciona ou gera conflitos? Como a maioria reage?

Ampliar horizontes e manter-se aberto a novas situações e desafios também faz parte de forma de visualizar a abordar o problema.

Tenha em mente que precisamos estar receptivos para todas as situações.

Essa forma de pensar nos torna resilientes!

Veja mais:

Treinamento de Gestão de Conflitos

Estou desempregado, e agora?

Você escolhe o resultado da sua negociação?

O relatório anual da Organização Internacional do Trabalho (OIT) indica um cenário crítico para a economia brasileira e prevê que a taxa de desemprego chegue a 7,7% em 2016. O número preocupa empresários e trabalhadores de diversos segmentos do mercado que se empenham para conter os gastos e driblar os efeitos da crise.

Diante desse quadro, quero chamar a sua atenção para a oportunidade de crescimento de uma pessoa temporariamente desempregada. Você deve estar se perguntando: “mas é possível”? Vou te mostrar que sim!

No início, o desespero promove uma espécie de bloqueio da nossa capacidade de mudança e inibe a ampliação da nossa percepção. O exercício é sair da condição de vítima e assumir a posição de líder da própria história. O que você vai escolher: esperar o mercado se recuperar ou se mostrar um profissional estratégico para as empresas?

Você deve estar esperando o passo a passo de como fazer isso, mas não existe solução pronta. Compartilho com você um recurso rico e que poderá ser utilizado em muitas situações: seus sentimentos! Se você souber utilizá-los, certamente irá se surpreender. Os sentimentos auxiliam a ampliar a percepção, enxergar novas possibilidades, além de fortalecer competências para enfrentar desafios pessoais e profissionais.

Neste artigo, gostaria de te convidar a cultivar a ESPERANÇA. Costumamos dar um significado paralisado e estagnado para esse sentimento, mas quero que você conheça a concepção defendida pela pesquisadora C. R. Snyder, da Universidade de Kansas, nos Estados Unidos. Para Snyder, a esperança é uma forma de pensar ou um processo cognitivo muito útil para nos colocar em ação e se manifesta quando:

Como você pode perceber, a esperança é uma combinação da capacidade de se estabelecer objetivos com a tenacidade e a perseverança de trabalhar as nossas habilidades para alcançá-los. E mais, com a esperança se aprende. Snyder sugere que podemos aprender a pensar de modo esperançoso sobre os nossos objetivos, sejam eles quais forem.

Então, se você está passando por um momento difícil profissionalmente, amplie sua percepção para explorar as oportunidades disponíveis, aguce os seus sentidos e sentimentos, substitua o desespero pelo cultivo diário da esperança e vá em frente!

Veja mais:

Pare de buscar aprovação
Como sair do confinamento?
Insatisfação: o estalo para mudanças

Planejar com autenticidade, você sabe o que realmente quer?

Planejar | Allessandra CanutoPlanejar não é uma característica muito estimulada em nossa cultura durante o nosso desenvolvimento.

Se observarmos atentamente as pessoas ao nosso redor, incluindo nós mesmos, será possível perceber que existem diversos motivos e justificativas para que as pessoas não obtenham sucesso.

Te convido agora para ampliar sua percepção nesta arte da observação. Vou compartilhar os 5 principais motivos pelos quais, na minha opinião, as pessoas não são bem sucedidas em suas vidas:

  1. A pessoa não se conhece, ou não conhece bem o que faz
  2. A pessoa não sabe o que quer
  3. A pessoa sabe o que quer mas não sabe como fazer o que precisa ser feito para chegar onde quer
  4. A pessoa sabe o que quer, sabe como fazer, mas não tem disciplina
  5. A pessoa sabe o que quer mas nem sequer reconhece o que a impede de conseguir.

Sem entender em qual dos itens acima você se encontra, fica complicado estrutura um plano e realizá-lo.

Mas ao identificar e assumir este ponto inicial ficará fácil conquistar seus objetivos.

Pois daqui para frente é só trabalhar no descondicionamento das verdades limitantes que você obedece até o momento.

Para isso existem inúmeras ferramentas surpreendentes e dinâmicas para te apoiar nesse processo, e o mais legal, é que tudo está com você e a sua disposição é só uma questão de conhecer para acessar!

Veja mais:

5 Dicas para um planejamento de sucesso

Treinamentos e Palestras

6 Competências da Liderança

Ideias, plano e ação para líderes de sucesso

Como ter líderes de sucesso? Aquele que realmente mantem a chama de conhecimento acessa? Aquele que realmente manter os colaboradores focados?

Aquele que motiva e reconhece cada profissional? Aquele que realmente nos mantem inspirados a dar o melhor de nós?

Já estamos cansados de ouvir que os colaboradores não se deligam da empresa mas sim dos seus líderes, certo?

Também já estamos cansados de ouvir que apenas 13% dos profissionais atuantes no mercado são realmente engajados em suas funções.

A realidade é que toda essa dificuldade está impregnada em nossas vidas e em nossas corporações por falta de autenticidade.

Atualmente as pessoas tem receio de serem elas mesmas e não serem aceitas.

Criam idealizações ou personagens de si mesmas que exigem muita energia para serem sustentados.

Líderes de sucesso tem o grande privilégio de poder inspirar as pessoas a seu redor.

A partir do momento que ele mostra através de suas ideias, planos e ações a sua verdadeira identidade vem a tona e ele ganha aliados.

Mesmo que essa exposição traga uma certa vulnerabilidade, isso fará com que as pessoas se conectem a ele e o apoiem em suas diretrizes.

Este líder autêntico passa a ser inovador, pois começa por entender que cada um ao seu redor tem competências complementares e os envolve desde o processo de elaboração das ideias e dos projetos facilitando assim o engajamento na hora da realização dos planos.

O ambiente passa a proporcionar mais prazer a todos os integrantes e facilita a convivência com as diferenças.

Prazer é uma das necessidades dos seres humanos e pode sim ser percebido e vivenciado na vida profissional.

Acredite nos seus colaboradores, pra que eles confiem em você também!

Você só tem a colaboradores felizes, envolvidos, engajados e ótimos frutos no resultado final.

Será prazeroso para ambos os envolvidos! Confie!

Veja também:

O ciclo da liderança

6 Competências da Liderança

6 dicas para profissionais de diferentes gerações trabalharem juntos e sem conflitos

Palestra Motivacional Boticário & Quem Disse Berenice – 04/10/15

Alle Ferreira palestra Boticário out/2015

O Grupo Esmera resolveu proporcionar para sua equipe a palestra motivacional COMO SAIR DO CONFINAMENTO. O objetivo foi de engajar sua equipe para o movimento esperado para o final do ano no varejo.

Com uma abordagem leve e dinâmica passamos 90 minutos refletindo sobre como parar de abafar e reter o que temos de melhor. Potencializando o que se pode mais a cada oportunidade?

 

Palestra Motivacional no Congresso Farmacêutico De São Paulo – 12/10/15

Alle Ferreira palestra CRF out/2015

Os organizadores do evento resolveram este ano investir em um workshop exclusivo para as mulheres presentes no evento. O motivo foi a identificação de 80% dos associados do Conselho Regional de Farmácia são mulheres.

O tema do evento foi Alle ao Lado no Contexto Profissional & Pessoal. Nessa palestra motivacional tratamos sobre como a necessidade de pertencimento quando não equilibrada pode impactar os relacionamentos profissionais e consequentemente os resultados obtidos.

 

Palestra Motivacional na Associação Comercial De São Paulo – 26/10/15

Alle Ferreira palestra ACSP out/2015

Pelo segundo ano consecutivo fui a palestrante convidada para abrir o Fórum de Competitividade. Este ano resolvi começar com uma dinâmica entre os participantes cujo objetivo foi estimular que um apresentasse ao outro participante qual a autenticidade do seu negócio. Afinal com notícias de um futuro tão instável o melhor que todos os empresários e empreendedores tem a fazer é usar seu potencial autêntico e inimitável.

Para saber mais sobre palestra motivacional e outros treinamentos da Alle ao Lado, clique aqui.

Veja mais:

Treinamento de Alta Performance na CEAGESP

Treinamento de liderança na VIVARA

Palestra no Sebrae

Pertencimento, aceitação e reconhecimento

A força do pertencimento | Alle ao Lado | Alessandra Canuto

Como praticar o pertencimento? Você fica feliz quando percebe que alguém gosta de você? Você se preocupa com o modo como as pessoas te veem? Você gosta de ser como você é?

Somos seres sociais, influenciamos e somos influenciados constantemente uns pelos outros. Não haveria nenhum mal nisso se a gente não ultrapasse nossos limites de verdades e valores.

Necessidade de pertencimento faz parte da nossa natureza, mas você precisa ficar atenta para permanecer no lado bom do “fazer parte”, se sentir integrada e contribuir com as pessoas ao seu redor do mesmo modo que reciprocamente as pessoas contribuem também com você. Afinal, a indiferença ou o excesso de segurança também não são legais. Um extremo leva para estagnação e o outro pode levar à submissão. Nenhum dos dois é saudável.

Vale tudo para ser aceito?

Por pertencimento já vi pessoas fazerem coisas impressionantes, como:

Tudo isso foi impulsionado pelo desejo de ser aceita, de ser amada, de ser reconhecida e de querer manter uma situação aparentemente confortável. Se você não ficar atenta, pode ser que você passe a se adaptar, se adaptar e se adaptar até não aguentar mais. Afinal, requer muito esforço e demanda muita energia atender a essa demanda.

Isso não acontece só na vida pessoal e familiar, isso acontece muito no trabalho e nas relações profissionais. E é assim que se formam equipes improdutivas e superficiais, em que algumas pessoas mantêm suas forças focadas apenas em garantir o seu lado e não pensam em quem está em volta, nem na empresa.

Então, a melhor coisa a se fazer é abrir mão dessa personagem que neste momento encarna em você e começar a assumir sua autenticidade e sua espontaneidade. Com certeza você é bem melhor do que a personagem que vem interpretando. Ou você não acha que interpreta personagem alguma? Então comece a observar as pessoas com as quais você mais convive e irá perceber o quanto isso é comum e o quanto isso mina a maior potência que essa pessoa que você conhece tem.

Se você quer mudar esse cenário, faça um acordo para atender à sua primeira necessidade de pertencimento: aceite quem você é para pertencer a si mesma. Topa o desafio?

Veja também:

Pare de buscar aprovação

Como colocar seu plano em ação

arrow-right